10 filmes para quem se interessa por comunicação social

Área do conhecimento humano responsável pelo estudo dos fenômenos relacionados aos meios e veículos de massa, a comunicação social é um tema recorrente no cinema devido a sua capacidade de investigar eventos importantes por um viés (quase sempre) científico.

Certas vertentes da comunicação social já foram responsáveis por desvendar histórias impressionantes que teriam ficado no anonimato se não fosse a persistência de profissionais comprometidos com a verdade – casos de corrupção, crimes da igreja católica e injustiça social são alguns exemplos daquilo que a comunicação social pode denunciar por meio de uma pesquisa fundamentada e provas consistentes.

Se você estuda ou simplesmente se interessa por comunicação social, os filmes da lista irão te ajudar a entender um pouco mais dessa área tão complexa. Jornalismo, publicidade e propaganda, relações públicas e marketing são as vertentes da comunicação social mais presentes na lista.

10 – 99 Francos (2007)

Octave Parango (Jean Dujardin) é um publicitário bem-sucedido que coleciona campanhas de sucesso em seu portfólio. Levando a vida através de relacionamentos vazios, ostentação e muita cocaína, Octave recebe um baque em sua vida profissional ao ter uma campanha publicitária reprovada por uma famosa marca de iogurte. Receoso com sua vida profissional, o publicitário tem sua percepção de vida alterada após sofrer uma overdose em uma casa noturna.

Com um tom ácido e sarcástico, 99 Francos faz uma crítica à glamourização vazia que existe dentro do mercado publicitário. Profissionais sobrecarregados lidando com demandas exaustivas existem à rodo nesse meio, mas são raramente retratados no universo cinematográfico. Com toques de psicodelia ao melhor estilo Medo e Delírio (1998), o filme mostra de forma escancarada a capacidade de manipulação das massas que a publicidade possui, que de boas intenções não tem nada.

9 – O Abutre (2013)

Com dificuldades para conseguir um emprego formal, o jovem Louis Bloom (Jake Gyllenhaal) decide entrar no obscuro submundo do jornalismo criminal independente de Los Angeles. Educado, carismático e esforçado, Louis consegue ascender rapidamente em seu novo emprego, mas a sede pelo sucesso acaba desencadeando traços de sociopatia que comprometem tudo aquilo que conquistou.

A principal função de Louis Bloom é correr atrás de crimes e acidentes chocantes, registrar tudo e vender a história para veículos interessados – quanto mais gráficas e invasivas forem as imagens, melhor. Existe uma fórmula bem clara por trás de toda essa indústria: conseguir audiência por meio do sensacionalismo. Familiar, não? É disso que O Abutre se trata. Uma indústria doentia onde pessoas sem empatia estão mais propensas ao sucesso.

8 – Como Fazer Carreira na Publicidade (1989)

Dennis Bagley é um brilhante executivo de publicidade que passa por um sério bloqueio criativo. Ele deve criar um slogan para vender um novo e revolucionário creme contra espinhas, mas a escassez de ideias o coloca a uma espiral de paranoia e posteriormente a um colapso mental. O estado alterado de Dennis compromete toda sua vida social e seu próprio corpo, onde observa o nascimento de uma estranha espinha com vida própria que conversa com ele, levando-o a acreditar que chegou no estágio final da loucura.

Estranhamente Como Fazer Carreira na Publicidade não é um filme tão difundido entre os estudantes de comunicação. Isso ocorre devido não só à estética bizarra e narrativa não convencional, mas principalmente à forma não glamourizada como o filme retrata o mercado publicitário: os profissionais da área devem criar demanda para produtos dispensáveis; devem fazer as pessoas acreditar que precisam comprar algo quando poderiam viver muito bem sem ele.

7 – Todos os Homens do Presidente (1976)

Em 1972, sem ter a menor noção da gravidade dos fatos, um repórter (Robert Redford) do Washington Post inicia uma investigação sobre a invasão de cinco homens na sede do Partido Democrata, que dá origem ao escândalo Watergate e que teve como consequência a queda do presidente Richard Nixon.

Inspirado no livro de mesmo nome, Todos os Homens do Presidente é um filme bastante conhecido entre os estudantes de comunicação social por contar de modo imparcial uma história sobre o poder do jornalismo investigativo.

Todos os Homens do Presidente também fornece ideias interessantes sobre duas teorias importantes dentro do jornalismo: a Agenda Setting e o Newsmaking. Enquanto a primeira afirma que as notícias são como são porque os veículos nos dizem em que e como pensar diante dos fatos noticiados; a segunda pressupõe que as notícias são como são porque a rotina industrial de produção assim as determina.

6 – Spotlight: Segredos Revelados (2015)

Baseado em uma história real, o drama mostra um grupo de jornalistas em Boston que reúne milhares de documentos capazes de provar diversos casos de abuso de crianças, causados por padres católicos. Durante anos, líderes religiosos ocultaram o caso transferindo os padres de região, ao invés de puni-los pelo caso.

Na mesma linha de Todos os Homens do Presidente, Spotlight é um filme sobre jornalismo cujo foco narrativo se concentra nos bastidores da notícia. A história engloba todos os processos que fazem parte de uma investigação jornalística real, passando pela relação dos repórteres com suas fontes, como é feita a pesquisa em arquivos e documentos e como se estrutura uma reportagem a partir de uma informação inicial.

5 – Rede de Intrigas (1976)

O âncora Howard Beale (Peter Finch) recebe a notícia de que está demitido em razão dos seus baixos índices de audiência. Um dia, com o programa no ar, comunica a sua saída da emissora e avisa que se matará ao vivo na próxima semana.

Venerado pelo público e pela emissora, Howard passa a encarnar o profeta louco e seu comportamento insano tem recepção altamente positiva. As pessoas responsáveis pela sua ascensão, no entanto, agora precisam encontrar uma forma de detê-lo.

Network é um dos filmes mais precisos em retratar os meios de comunicação e todas as relações provenientes deles, seja entre as pessoas submetidas às suas vontades ou o jogo de interesses entre corporações e o governo. A icônica cena conhecida como “O mundo é um negócio” é desenvolvida magistralmente e oferece um olhar íntimo ao modo como a comunicação social pode ser usada para manipular a opinião pública.

4 – Obrigado por Fumar (2005)

Obrigado por Fumar acompanha a trajetória de Nick Naylor (Aaron Eckhart), lobista da indústria de tabaco com uma difícil missão: fazer o cigarro retornar aos seus bons tempos onde era símbolo de masculinidade, erotismo e status.

Apesar de ser uma tarefa controversa, Nick defende com afinco seus argumentos valendo-se de lábia e retórica invejável. Seus argumentos, no entanto, são contestados frequentemente por ativistas e ONGs, liderados por seu arqui-inimigo: o senador ambientalista Ortolan Finistirre (William Macey), que tem como principal objetivo a aprovação de uma lei federal que obrigue os maços de cigarros a trazer uma advertência com um desenho de caveira.

Explorando um lado pouco atraente da área de relações públicas, Obrigado por Fumar apresenta didaticamente a engenharia da Agenda Setting, ferramenta essencial da comunicação social que pode ser usada para fins perversos. No filme, a Agenda Setting de Nick e da corporação para que trabalha tem uma proposta bastante clara: fazer do cigarro um tema de destaque na mídia – querer ou não fumar cigarro seria uma questão que a mídia teria muito pouca influência, mas fixar a pauta do tabagismo em diferentes meios é uma prática comum na indústria do cigarro há muitos anos.

3 – A Montanha dos 7 Abutres (1951)

Assim como O Abutre (que usou A Montanha 7 dos Abutres e Taxi Driver como grandes fontes de inspiração), o terceiro filme desta lista também se aprofunda na temática do sensacionalismo midiático.

Seguindo a história de Chuck Tatum (Kirk Douglas), um jornalista que foi demitido de onze jornais diferentes e conseguiu um emprego na cidade de Albuquerque, A Montanha 7 dos Abutres é a prova definitiva do poder que a mídia tem de criar um alarde quando considera necessário. Explorando uma prática bastante comum no jornalismo, o diretor Billy Wilder (Crepúsculo dos Deus, Se Meu Apartamento Falasse) desenvolve sua narrativa por meio de um protagonista que não tem medo de aumentar os fatos para fazer sua reportagem parecer mais interessante.

A reportagem em questão se trata de um homem preso em um buraco. Algo bastante simples, mas que graças ao desprendimento moral de Tatum pode levar todos os envolvidos a um final inesperado. A Montanha dos 7 Abutres é um filme fundamental para os estudantes de comunicação social por evidenciar como a falta de comprometimento com a verdade deve ser abominada dentro de qualquer veículo ou mídia.

2 – No (2012)

Chile, 1988. Pressionado pela comunidade internacional, o ditador Augusto Pinochet aceita realizar um plebiscito nacional para definir sua continuidade ou não no poder. Para isso, existiriam duas campanhas: a do sim, pela permanência do ditador, e a do não, para que Pinochet abdicasse do poder. Enquanto a campanha do “sim” contava com um grande orçamento e largo espaço publicitário, a campanha do “não” possuía apenas alguns poucos membros dispostos a mudar a situação do país.

René Saavedra (Gael Garcia Bernal) era o publicitário responsável por desenvolver a campanha contra Pinochet. Subvertendo todas as expectativas de seus companheiros, ele sugeriu uma campanha alegre e cativante, completamente oposta àquilo que havia sido proposto anteriormente. Cores, sorrisos e jingles eram a grande aposta de Saavedra; ele desejava concretizar o sonho de tirar um ditador do poder usando de artifícios e truques publicitários que passavam por cima de preceitos arraigados na época.

Uma aula de marketing político, No mostra a enorme influência que a publicidade pode exercer na percepção do público, sendo capaz de mudar o rumo de um país mesmo quando praticamente todos desacreditavam de suas chances de sucesso.

1 – Cidadão Kane (1941)

Clássico absoluto, Cidadão Kane é a obra-prima de Orson Welles que figura em qualquer lista dos melhores filmes de todos os tempos e se faz definitivamente obrigatória para os estudantes de comunicação social. Inspirado na vida do milionário William Randolph Hearst, a história acompanha a trajetória de um grupo de jornalistas encarregados de descobrir o significado da última palavra de Charles Foster Kane, magnata de um império do jornalismo e da publicidade mundial.

Cidadão Kane é um filme brilhante em todos os aspectos: roteiro, direção, atuações, e acima de tudo, o conceito inovador de contar a história de uma figura emblemática através do ponto de vista de várias pessoas diferentes são alguns dos motivos pelos quais Cidadão Kane é aclamado até hoje, mais de 75 anos após seu lançamento.

Cidadão Kane é um filme indispensável não só para entender a mídia como um todo, mas também a importância do jornalismo e de uma boa história em qualquer contexto social.

Compartilhe o post!

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: