Montagem com fotos de três filmes diferentes.

Os 20 melhores filmes de drama na Netflix em 2018

 

*A lista é atualizada mensalmente de acordo com os filmes disponíveis na plataforma*

Todo filme precisa de arcos dramáticos para desenvolver sua narrativa, mas isso não necessariamente o configura como um drama em si. Em uma definição breve, o drama no cinema se refere a filmes que dependem majoritariamente do desenvolvimento de personagens realistas tendo que superar obstáculos que o distanciam de seu objetivo final. Para superar essas barreiras, o drama coloca o protagonista em uma série de provações que conduzem sua jornada: ele deve aprender a lidar com suas emoções, superar dilemas morais, aprender com os erros que cometeu no passado, etc.

Formular uma lista com os 20 melhores filmes de drama na Netflix é uma tarefa complicada que está ligada a preferências pessoais do autor e por isso não deve ser levada como verdade absoluta, mas sim como uma sugestão. Ainda que a categoria de Drama na Netflix seja tão diversa, muitos dos filmes que estão lá representam mais outros gêneros do que o drama em si, como é o caso de Brazil (1985), Millennium, Os Homens que Não Amavam as Mulheres (2011), Os Suspeitos (2013) e Janela Indiscreta (1954). Por isso, a lista a seguir segue um critério simples: os filmes selecionados são ambientados em um universo realista e têm sua narrativa centrada no desenvolvimento de personagens.

A sessão de drama no Netflix conta com uma diversidade de títulos enorme, portanto é inevitável que alguns bons filmes sejam deixados de fora. A razão para isso pode ser devido à falta de espaço na lista ou ao filme em questão não se enquadrar na proposta do post.

20 – Lion – Uma Jornada para Casa (2016)

Personagem do filme Leon se reencontrando com sua mãe. Ois dois estão feliz enquanto olham um para o outro.

Este é o tipo de drama que possui todos os elementos para cativar o público: é emocionante, conta uma história de superação e aborda temas universais como família e a busca por identidade.

Baseado em uma história real, Lion – Uma Jornada para Casa conta a história de Saroo (Dev Patel), um garoto indiano que se perdeu do irmão em uma estação de trem na cidade de Calcutá quando tinha apenas cinco anos de idade. Logo ele é adotado por uma família australiana, mas não consegue viver em paz enquanto não descobrir o que aconteceu na noite em que se perdeu. Aos 25 anos, Saroo parte em uma jornada solitária repleta de emoções e autodescoberta para reencontrar sua família biológica.

19 – Frank (2014)

Personagens do filme Frank em uma paisagem desértica enquanto Frank (Michael Fassbender) carrega um pote em seus braços.

John Burroughs (Domhnall Gleeson) sonha em ser tecladista e compositor de uma grande banda. Um dia, um acidente lhe fornece a oportunidade de tocar em um grupo, liderado por Frank (Michael Fassbender). Ele aceita a oportunidade e viaja com a banda para uma casa isolada no interior, onde eles devem gravar seu primeiro álbum.

Frank é uma daquelas gratas surpresas que você encontra vagando pelo catálogo da Netflix. Este é um filme que não recebeu grande divulgação no Brasil e permanece escondido, cultuado apenas por alguns fãs do cinema alternativo. Personagens complexos, músicas psicodélicas e uma viagem divertida à mente de um grupo de músicos completamente fora do padrão são algumas das características que fazem de Frank um filme imperdível.

18 – O Escafandro e a Borboleta (2007)

Personagem feminina do filme O Escafandro e a Borboleta acompanhando o protagonista que está na cadeira de rodas enquanto olham o mar.

Não é raro que os dramas sejam baseados em fatos reais; histórias da vida real têm muito potencial para emocionar e engajar o público. Esse é o caso de O Escafandro e a Borboleta, filme francês que narra o drama vivido por Jean-Dominique Bauby, um famoso e influente editor da revista Elle.

Após um derrame cerebral, Bauby fica 20 dias em coma e acorda em um estado que definiria o resto de sua vida – o único movimento que lhe resta no corpo é o do olho esquerdo. Aceitar essa nova condição é uma tarefa árdua que só o tempo pode ajudar. Usando apenas o olho esquerdo para se comunicar, ele cria um mundo próprio, contando com aquilo que não se paralisou: sua imaginação e sua memória.

17 – O Lado Bom da Vida (2012)

Jennifer Lawrence e Bradley Cooper no filme O Lado Bom da Vida se entreolhando com sorrisos no rosto.

Por conta de algumas atitudes erradas que deixaram as pessoas de seu trabalho assustadas, Pat Solitano Jr. (Bradley Cooper) perdeu quase tudo na vida: sua casa, o emprego e o casamento. Após passar um certo tempo no sanatório, ele volta a morar com os pais, dedicando todos seus esforços a reconstruir sua vida. Para isso, o objetivo primário é reconquistar sua ex-esposa.

Embora seu temperamento ainda inspire cuidados, um casal amigo o convida para jantar e nesta noite ele conhece Tiffany (Jennifer Lawrence), uma mulher também problemática que poderá provocar mudanças significativas em seus planos futuros. Ainda que na superfície O Lado Bom da Vida seja um drama com certa carga humorística, o filme de David O. Russel (O Vencedor, Trapaça) trata de questões importantes como doenças mentais e instabilidade emocional com uma sensibilidade incrível.

16 – De Olhos Bem Fechados (1999)

Personagem de Tom Cruise no filme De Olhos Bem Fechados andando em uma rua repleta de luzes de neon.

O filme que encerra a carreira do brilhante Stanley Kubrick (Laranja Mecânica, 2001: Uma Odisseia no Espaço) faz jus ao repertório impecável do cineasta. A história sobre um casamento que é abalado após uma das partes sentir atração por um terceiro e todas as consequências que isso acarreta é uma jornada pele mente humana com um toque erótico e subversivo.

Com um processo de produção que durou de cerca de 400 dias, De Olhos Bem Fechados conta com um visual brilhante e uma história envolvente, duas características marcantes da filmografia de Kubrick.

Seguindo uma estética onírica em muitos momentos, o filme busca nos transportar a um universo alternativo, onde só é possível se chegar através dos sonhos (o nome original, Eyes Wide Shut, faz uma referência muito mais clara a esse argumento) e então nos confronta com uma realidade estranha e difusa, que abre margem para muitas interpretações, analisadas com frequência por campos da filosofia, psiquiatria, semiótica, dentre outros.

15 – Moonlight: Sob a Luz do Luar (2016)

Personagens do filme Moonlight sentados na areia enquanto conversam.


Vencedor do Oscar de Melhor Filme em 2017, Moonlight: Sob a Luz do Luar quebra diversos paradigmas ao abordar a sexualidade por uma ótica sensível e transparente. A história narra três momentos na vida de Chiron, um jovem negro de uma comunidade pobre em Miami que enfrenta uma série de conflitos, como o bullying na infância, a crise de identidade na adolescência e a tentação do universo do crime e das drogas na vida adulta.

Todos os momentos na vida do protagonista são marcados por aspectos em comum, sobretudo no que diz respeito à autodescoberta e busca por autoconhecimento – algo universal, inerente à vida de qualquer um, independente da cor da pele ou de com quem você se deita. Dessa forma, temos um filme honesto sobre questões importantes trazidas aos olhos do público em uma história repleta de emoção que rende uma reflexão necessária.




14 – Namorados Para Sempre (2011)

Casal no filme Namorados Para Sempre se entreolhando um com a mão no rosto do outro.

Namorados Para Sempre é um drama pesado que fará você perder sua fé no amor. O título traduzido para o português nada tem a ver com o título original “Blue Valentine”, que remete a um relacionamento triste. E é exatamente isso que observamos em Namorados Para Sempre: um relacionamento tão danificado pelo tempo que jamais será aquilo que era no passado.

Com cenas que se alternam entre presente e passado, o filme conta a história de um casal que tenta recuperar os bons dias de seu relacionamento. Mas isso parece impossível, pois, no caso deles, o amor deu lugar aos sentimentos de tristeza e frustração, restando apenas relembrar os eventos do passado e tentar entender como as coisas chegaram naquele estado.

Longe de qualquer idealização, Namorados Para Sempre é um filme não-romântico sobre o amor. A história pode funcionar como um catalisador de lágrimas para aqueles que já estiveram em uma situação semelhante, portanto, cuidado.

13 – Gênio Indomável (1998)

Robin Williams e Matt Damon no filme Gênio Indomável sentados em um banco de praça

Em Boston, um jovem de 20 anos (Matt Damon) que já teve algumas passagens pela polícia e servente de uma universidade, revela-se um gênio em matemática e, por determinação legal, precisa fazer terapia, mas nada funciona, pois ele debocha de todos os analistas, até se identificar com um deles.

O filme escrito pelos ainda jovens Matt Damon e Ben Affleck e dirigido por Gus Van Sant (Milk, Elefante) se concentra na construção de personagens repletos de profundidade para engajar emocionalmente o público. O protagonista é um jovem extremamente problemático e arrogante, que vai mudando tão lentamente que não somos capazes de perceber esta transição até que ela já está praticamente efetuada. Sua evolução é evidenciada a partir de pequenos atos que conseguem ser verdadeiramente interessantes por mais simplórios que pareçam, como as conversas do jovem com seu analista sobre a vida e os dilemas que ela traz.

12 – Inside Llewin Davis (2013)

Personagem de Oscar Isaac no filme Inside Llewin David andando pela rua enquanto segura um gato.

Dos mesmos diretores de Fargo (1996) e Onde os Fracos Não Têm Vez (2007), Inside Llewin Davis acompanha a trajetória de um cantor e compositor que sonha em viver da música. Com o violão nas costas, ele migra de um lugar para o outro na Nova York dos anos 60, morando esporadicamente na casa dos amigos que o deixam dormir no sofá.

Sem nenhuma sorte profissional ou amorosa, o cantor acredita que o talento que possui é seu bem mais valioso e não pretende se curvar à indústria para ter algum retorno financeiro, pois para ele, isso comprometeria a qualidade de seu trabalho.

O músico interpretado por Oscar Isaac é a definição do hipster antes mesmo de esse termo ter sido inventado: alguém que desconsidera qualquer possibilidade de entrar no cenário mainstream da música por acreditar que a única forma de sucesso que o faria feliz seria se destacar na cena underground do folk.

Um retrato nada glamouroso do mundo da música, Inside Llewin Davis chama a atenção pelas diversas canções marcantes e pelo ótimo ritmo que mantém o espectador entretido ao longo de toda a projeção.

11 – Frances Ha (2012)

Personagens do filme Frances Ha sentadas na escada externa de um prédio enquanto bebem cerveja.

Com apenas 86 minutos de duração, o filme de Noah Baumbach conta uma história simples, porém extremamente sensível de uma jovem (Greta Gerwig) que não tem emprego formal e é dispensada por sua colega de quarto com quem dividia o aluguel. Apesar de tudo, ela mantém o otimismo e busca encontrar a felicidade enquanto faz o que for necessário para sobreviver na cidade de Nova Iorque.

As incertezas e dificuldades da vida adulta fazem com que a protagonista sinta uma certa dificuldade em se adequar socialmente, sendo ocasionalmente aquela pessoa questionadora nos jantares de amigos e, por contestar ideias encravadas no senso comum, acaba se sentido deslocada. Em uma fase de transição de jovem para adulta, Frances enfrenta dificuldades que todos nós compartilhamos, como a conta bancária beirando o negativo, a dificuldade de encontrar um lugar para morar e o fracasso da vida amorosa quando todos os seus amigos já estão quase se casando.

 

Compartilhe o post!

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: