10 documentários na Netflix que vão expandir sua visão de mundo

 

O cinema é uma porta de entrada para o mundo da ficção onde qualquer história pode ser contada. Enquanto algumas delas se distanciam da realidade ao criar universos fantásticos com criaturas mitológicas, outras são um retrato do mundo real e propõem discussões importantes acerca de temas que nem sempre ganham a devida atenção.

O documentário é um gênero cinematográfico que busca explorar a realidade e, assim, trazer aos olhos do público uma visão com a qual talvez nunca tenhamos nos deparado antes, mesmo que os aspectos do mundo nela representados sejam familiares. É válido lembrar que documentários não são sempre imparciais; são uma visão subjetiva da realidade influenciada pelo olhar do realizador.

A lista a seguir contempla 10 documentários na Netflix que trazem discussões válidas sobre temas importantes e atuais. Ao assisti-los, você irá se deparar com assuntos que provavelmente não havia para refletir até então e terá uma visão de mundo mais abrangente, mesmo que discorde dos pontos apresentados por cada um.

10 – Minimalismo: Um Documentário Sobre as Coisas Importantes (2016)

Ainda que seja um pouco contraditório dentro de sua proposta, este documentário propõe uma ótima reflexão sobre consumismo e desapego material. A argumentação é desenvolvida a partir de Ryan e Joshua, dois homens que largaram sua carreira de sucesso para viver uma vida baseada na filosofia que eles chamam de minimalismo.

De acordo com a dupla, o minimalismo consiste em viver somente com aquilo que é necessário. Ter menos é sinônimo de uma vida mais tranquila e sustentável – não há por que você ter um armário abarrotado de roupas se não usa nem metade delas ou ter uma casa enorme se passa a maior do seu tempo em apenas um cômodo. Mesmo se perdendo em algumas contradições, Minimalismo é um documentário válido para pensar em nossos hábitos de consumo e, como o próprio nome sugere, nas coisas que realmente importam.

9 – Zeitgeist: O Filme (2007)

Em alemão, “Zeitgeist” significa “espírito da época”. Essa definição capta perfeitamente a intenção do polêmico documentário dirigido por Peter Joseph. A narrativa se divide em três atos: Religião, Onze de Setembro e O Banco da Reserva Federal. Desenvolvidos separadamente, cada um deles especula sobre a possibilidade de a população estar sendo manipulada por grandes instituições, governos e poderes econômicos.

O documentário divide opiniões por tocar em temas delicados da sociedade contemporânea, mas o faz com competência ao apresentar fatos que sustentam a argumentação. O tom conspiracionista também desagrada a uma parcela do público, mas o filme está repleto de informações valiosas que podem servir como uma porta de entrada para uma série de outros conhecimentos. Assista com a mente aberta e esteja preparada para quebrar paradigmas, mas não se esqueça de sempre contestar e buscar interpretar os fatos expostos.

8 – Os Capacetes Brancos (2016)

Gravado na Síria e Turquia, o documentário acompanha três equipes de regate voluntários que se colocam na linha para salvar civis afetados pela guerra. Ao mesmo tempo em que salvam a vida de outras pessoas, os voluntários também temem pela sua própria segurança e de seus entes queridos.

Vencedor do Oscar de Melhor Curta-Metragem de 2016, Os Capacetes Brancos não se foca em questões políticas; mantém seu foco em ações humanitárias em regiões que sofrem com uma guerra impiedosa. Apesar de todas as polêmicas que envolvem o grupo que dá nome ao filme, temos uma reflexão sobre a degradação causada pela guerra e suas consequências na vida de pessoas que acordam toda manhã se perguntando se sobreviverão ao dia seguinte.

7 – The Wolfpack (2015)

Durante mais de 10 anos, as crianças da família Angulo, composta de seis rapazes e uma moça, estiveram trancados em sua residência e apenas tinham contato com o mundo através dos filmes que viam. O pai controlador e a mãe omissa eram os responsáveis por manter os filhos enclausurados, fora do mundo real. A situação mudou apenas quando um dos filhos decidiu desobedecer ao pai e sair para passear nas ruas de Nova York.

O documentário é uma Alegoria da Caverna ambientada no mundo real: sujeitos que nunca tiveram contato com o mundo exterior e se mantêm trancados dentro de seu próprio universo onde o cinema é a única janela para a realidade. The Wolfpack, mostra um processo de transformação na vida dos Angulo, a partir de sua abertura para a realidade e a recepção à Crystal, a diretora do filme, que tenta deixar os julgamentos de lado ao acompanhar a inserção gradativa dos irmãos na vida real, em contraponto às fantasias que tanto os divertem em casa.




6 – A 13ª Emenda (2016)

Cento e cinquenta anos de opressão resumidos em cem minutos” – é assim que descreve seu filme a diretora Ava DuVernay, nome em ascensão em Hollywood por obras que têm destacado o protagonismo negro, como Selma (2014). Com “A 13ª Emenda” a diretora explora, com uma linguagem documental bastante dinâmica, a correlação entre o sistema prisional e a cultura racista dos EUA.

Apresentando argumentos consistentes e bem embasados, o documentário é capaz de evidenciar a ineficiência do sistema prisional americano e como ele se mantêm estagnado desde séculos anteriores, remontando ao período da escravidão americana iniciado no século XVII. A argumentação não toma lado político e tenta ser o mais imparcial possível, resultando em um documentário atual que trata com seriedade de um tema importantíssimo dentro de nossa sociedade.




Compartilhe o post!

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: